30 janeiro 2009

Tudo passa e pouco muda

Voltei a 22 dias, depois de apenas 7 meses do outro lado do mundo, e e pouco mudou por aqui. Aqui geográfico. Aqui, interior, mudou e isso me basta. Me basta ?

Hoje quase fui atropelado. Já andei por aquela avenida mais de um milhão de vezes. Na minha primeira infância ela [a avenida] era o lugar público mais distante, porém acessível, que minhas pernas poderiam me levar. Tinha a sorveteria, o vendedor de relógios falsos, a fotótica, churros, papelaria e etc.

Hoje saí para comprar um tênis e o jornal. Na volta, ao passar no farol, que estava aberto para mim, quase fui atropelado.
Será que as leis de trânsito, aqui no Brasil, são apenas recomendações? Sinto falta do trânsito asustraliano, mesmo com a mão do lado errado da rua.

E o jornal?

Alguém morreu. Alguma criança foi abandonada (isso também aconteceu lá, mas me parece uma exceção, como deveria ser), a crise já é um fato global, a violência continua a mesma coisa e agora damos asilo "político" a bandidos europeus. Meus avós não gostam que eu vá andando até a casa deles a noite. São quase 5 minutos - dizem que é perigoso.

O que faço quando quer ir e vir ?

Meu avô diz que "o Brasil é o melhor lugar do mundo". Meu avô já passou um final de semana no Paraguai, nos anos oitenta, e aí está sua experiência internacional.

Tom dizia que "o Brasil é uma merda, mas é muito bom. Aqui [ele se referia aos EUA, mas poderia se referias a qualquer outro país desenvolvido e seguro] é muito bom, mas é uma merda".

O Brasil é o melhor lugar do mundo, mas temos muito que melhorar.

Teremos um trabalhão !


2 comentários:

Julia disse...

Aaah, a síndrome pós-primeiro mundo... acho que ainda não superei essa fase! :-(

Boa sorte!

Gabriel Borges disse...

droga! vou precisar de muita terapia... so me f. nessa vida, vou apra um pais onde a mão é errada, e o pior, é pior muito pior que o brasil... quando pisar na Austrália acho que vou enfartar...